One of the absolute best decisions we made as parents was giving our children a decent allowance with no strings attached. And yet, allowance is not a topic I feel relaxed discussing with other parents. No matter how they approach the subject of allowance, I find a lot of parents to be quite dogmatic about their position, even if they can’t point to a single, direct, positive result. The topic of allowance comes up a good deal around other parents. Most commonly, I hear parents either boasting about impractically small allowances or how they don’t give an allowance at all. Some parents, in varying applications, only give allowance for chores completed which I’ve yet to hear produce consistent results.

TL;DR: Provide an allowance of 2 x child’s age per week if your budget permits. Present opportunities to grow financial intelligence and give kids jobs they like. Trust your kids. Recovering from financial mistakes in the early years is easier. Financial deprivation creates unintended consequences and sets a child up for to be financially ignorant adult.

So why do I get resistance when I share that I can directly link our children’s financial intelligence to their allowance? Before I talk about what we did, let’s start by defining allowance and other similar terms.

Allowance – Usually pocket money. An amount of money that parents regularly give to their child to spend as they choose. ¹

Wage – a particular amount of money that is paid, usually every week, to an employee, especially one who does work that needs physical skills or strength, rather than a job needing a college education. ²

Stipend – A fixed, regular income that is usually not based on an amount of work done. ³

Subsidy – Money given as part of the cost of something to help or encourage it to happen. ³ Subsidies could be given to encourage specific behaviour.

Grant – An amount of money given especially by the government to a person or organization for a special purpose. ¹

Why Do We Give Allowance?

Is allowance used to teach the child how to learn about finances, to provide spending money, or simply because the parent needs help around the house? Of course, there are some parents who are against ‘giving’ money to their children at all. I have found it difficult to find parents who have a clearly defined, winning approach for allowance. So why do so many parents have such strong attachments to a certain view on an allowance – results or not?

How Much Allowance Money Do We Give Our Kids?

Inspired by ‘The First National Bank of Dad’ (David Owen), we started giving both kids twice their age in a weekly allowance starting at age three. This means that at age three, our child would receive six dollars every week (USD); at age four they would get eight dollars weekly. Six dollars for a 3-year-old may seem like a lot, but we found it to be a nice amount to help our kids learn to save and become savvy consumers. Even as the allowance increased yearly, the amount kept up with our kids changing consumption.

Work for Allowance?

In the U.S., many parents like tie chores to an allowance. In our family, we expect help from our kids like we would a roommate, giving consideration to the child’s maturity, of course. When the work is outside of a normal family expectation we offer a wage. Exchanging dollars for everyday housework would complicate our family relationship in confusing ways. Our expectations as adults would be frequently unmet because our workers are children and they care very little about housework. We would likely hold money over our children’s heads and our children would grow to distrust us and come to view money as a weapon. 

Room and Board instead of Allowance?

There are parents who don’t give an allowance or offer a very small allowance because food and accommodation are being provided. Factoring the value of room and board into allowance doesn’t seem fair to the child. Our children do have a say in our decor and where we live and move, but in the end, they understand that we will make the final decision based on input and our financials. I can imagine that our relationship with our children would be much more contractual and less loving if we were essentially charging them rent.

Our children are aware of how much mortgage and rent we pay. They understand water, refuse, and electricity bills. Billing them for a small portion of those costs, won’t help them understand these expenses any better. If anything, we’d be teaching them that one can rent a place for idk, $20 a month? That would be a lie. So, we don’t take Room and Board out of our children’s allowance. Maybe the adults would benefit from not having to give as much allowance to their children, but what lessons would the child learn?

Subsidies

In SE Asia, I’ve seen subsidies used by parents to encourage their children to study for exams. Unlike in the US where kids may be paid for straight A’s, my observation is that Singaporean kids, for example, seem to receive a subsidy regardless of results. This money is outside of regular allowance and is like a bonus.

Overall, I really like the idea of a subsidy. Kids study into the night on school days and may have tuition (extra helper classes) on Saturday during exam time. Exam time is stressful and the kids work hard and forgo many fun activities. The end of exams brought a palpable sense of relief and celebration. Kids were out having fun and spending their hard-earned money. The mood around Singapore after exams shifts from winter to spring.

Fail Early, Fail Often, but Always Fail Forward

I love this phrase “Fail early, fail often, but always fail forward” from John C. Maxwell. It summarizes so well how our children have learned to manage their money. Having control of a decent allowance gives kids the ability to make mistakes, learn from those mistakes, make corrections, and iterate.

A friend shared with me how she was given no money growing up. At age 19, they received their first credit card and promptly racked up tens of thousands of dollars in debt. If our kids make money mistakes, we prefer they make them when the numbers are smaller. Fixing the expensive mistakes of a financially illiterate, young college student who just received their first credit card is something we want to avoid.

Through the Years: The Path of Progress

Age 3, Six USD per week

Our kids learned that shopping at thrift stores would buy them more toys and allow them to have money left over.

Ages 3–6, Six to twelve dollars per week allowance

Ages 3-6 were our children’s biggest years for consumption and financial growth. At these young ages, our kids practiced spending and made mistakes. They learned how to search the websites for product reviews. They experienced how better research could have been avoided disappointment.

By the time they were 6 years old they had already learned that impulse shopping can cost more. They began practicing patient and opportunistic consumption. Ordering a toy one day and getting it two days later felt like getting the toy twice so ‘the wait’ became exciting. Money was spent on Legos and dolls, but thrift stores were still our children’s preferred shops. By age 5, our son was already taking resale value into account when making his purchases.

Age 7, Fourteen dollars per week allowance

Our kids had figured out that plastic breaks and is usually impossible to repair. The kids stopped buying plastic with some exceptions like Legos. The kids looked for Legos at thrift stores and found several complete sets and antique sets. Our son figured out the average per piece price of Legos and refused to buy sets where the per-piece price was higher than the average. At seven, our oldest child learned to ‘standardize’, and specifically only purchased dolls that could wear the same shoes or clothes as the dolls she already owned.

Legos purchased with allowance. Making good investments

Legos that our son purchased with his money

Ages 8-9, Eighteen dollars per week allowance

Reviewing toys before purchasing gave our daughter insights into the resale marketplaces like eBay. She started buying specific toys at thrift stores to sell on eBay. It would be her first entrepreneurial endeavor. She would also orchestrate her first fundraiser at age nine raising $200 for local charities. Our daughter opened her first (and last) lemonade stand. She realized that selling lemonade was a great way to meet neighbors but a terrible way to make money.

Both children started to dislike shopping by ages 8-9 and welcomed a massive purge of our belongings. Our son decided he was done buying new Legos and sold off about 90% of his collection, keeping a select few of his favorite builds. The kids enjoyed selling their toys through eBay and Craigslist and put all of the recovered funds into savings.

Both children were already very responsible with money and received their first credit card around age 7 & 9. We stressed that credit cards are to be paid in full monthly, so they must never spend beyond their monthly allowance or savings. They rarely used their cards at this age because they weren’t shopping much, but they got a little practice, and we got 1,000 extra miles per card, so win-win.

Ages 10–11, Twenty to Twenty-two dollars per week allowance

Our kids really lost their interest in all stores, even thrift stores. By age 10 and 11, most of our children’s purchases were digital. They no longer wanted toys – just puzzles, board games, and stuffed animals. By age 10, our son started managing his budget, receiving a monthly stipend instead of allowance for all of his personal expenses including eyeglasses, haircuts, and clothing.

At this age, much of our children’s money went into savings. Our son didn’t even want to spend his money on haircuts or clothes. Taking a tip from The Cheapskate Nextdoor, we let our son know that he is given an allowance in part, to take care of himself, so he can not neglect himself to save money. It would be one thing if he were cash insecure, but he wasn’t – he just doesn’t’ like visiting salons or shopping for clothes.

By age 10, our son had wisely used a credit card for roughly 3 years. Noticing the effect that Bitcoin was having on the price of computer gear he wanted to purchase, our son started to learn about Bitcoin.

Age 12–14, Monthly stipend instead of allowance

At 12, our daughter started managing her own budget. She received a monthly stipend instead of allowance for all personal expenses including clothes, haircuts, and her boba tea cravings. By 12, she was managing a metro card, dining card, credit card, and Grab & Uber accounts. She made sure to always have cash in her wallet and she topped up her metro and dining cards when they were low on funds. The cash-funded dining cards accepted at the mall food courts in Singapore allowed our daughter to eat when she was hungry, alone, or with friends. 

Our daughter also created her first successful business by age 12, opening a pocket store in a toy shop at a neighboring mall. Having a store meant regular visits to the mall to restock her shop. She took the metro frequently to deliver orders or see friends and nearly every metro stop was under a mall.

Being at the mall so often meant that our 12-year-old could handle all of her own shopping. If she wanted a second opinion when shopping for clothes, she sent a picture via WhatsApp. In spite of this endless ability to shop, she only purchased what she needed after much consideration. And, since she was already at the mall, she took it upon herself to stop at the grocery store, if she knew we were low on certain foods.

Slime by Ame Shop in Singapore - allowance creating the entrepreneur

Pocket shop at Plaza Singapura – Our Daughters First business!

Within a couple of months, our daughter’s business was earning more than her stipend. In addition to this business, she was also earning money from editing and graphic design. She put her earnings back into the business, or tools, or into savings, while her stipend went mostly to savings. By age 13, she started outsourcing work to vendors to handle the growing demand for her products.

Plaza Singapura locker for Slime by Ame - allowance creating the entrepreneur

Shoppers at Slime by Ame’s pocket store in Singapore

Our daughter had managed a credit card for over 4 years by age 14. In four years, she didn’t make a single crazy purchase even with the freedom to shop on her own and make her own choices with her own credit card.

“I’m not giving them money for nothing! What about chores?”

My partner and I came from farming families. Seeing my family work together on the farm showed me how a family working together can lower the burden on the whole family. I want our kids to discover that too, which is why we don’t pay them to help out around the house. In addition, when I ask for help from the kids, especially with time-consuming tasks, I make sure they have the time. Sometimes the kids need coverage and support to complete their own work. Other times, it’s us, the parents, that need coverage and the kids are happy (usually) to help out. I want our kids to contribute because they see a need not because they want money.

Giving our Kids a Fair Wage

If you decide to give money for chores, try replacing the word ‘allowance’ with ‘wage’ and see if that wage is still fair. Would you work for such a wage? Is the wage fair that you are offering your child? When we ask for help with jobs that fall outside of normal household tasks, we offer our kids a fair wage. I say offer because sometimes they refuse to be paid. Still, we don’t expect our kids to work for us just because we’re family – especially if other people are willing to pay them more. 

Give Them Work They Love

Do your kids have skills that can support the family? Maybe they are good with tech and could manage the gear, updates, and network. Or perhaps they are a wiz with tools and like fixing things. Could they manage the garden or plants? Mend clothing?

Our oldest child is a fine photographer/director/editor so we get their help in those areas. I also ask my oldest to help me rid my closet of poor choices and help me find interesting pieces that are more current. My teen informed me that scoop and V-neck shirts are cuts that only older women wear and I immediately set fire to all of my shirts.

Our youngest child helps with errands and is a great sous chef. He is also a trusted strategist. His analytical skills are useful in technical areas or putting together Ikea furniture (for instance). Before our son was even in his teen years, I have valued his objectivity and logical approach and can rely on him as a trusted resource, for reason or solution when neither are available to me. If I weigh the value of their support, it makes more sense for me to outsource easier household tasks and let our kids help in ways that are fun or even educational for them. 

Allowance isn’t for Chores

We want our children to learn how to keep their lives tidy and organized. Good organizational skills help our family avoid being overwhelmed, and help us focus on what to do next. I want our children to learn how to support their friends and family and share the work. Outside of mentoring and modeling, I don’t see any other way to teach these values or lessons. We don’t pay ourselves for chores so it seems odd to pay the kids. And though cleaning houses is a job and can be lucrative as a business, my goal is not to train them to be excellent house cleaners, just competent. I don’t think children need years of housecleaning practice to be able to, one day, keep their own place clean.

Allowance is not for chores in our family. Instead, allowance is given for taking care of our self, our belongings, and our surroundings.

Receiving a Decent Allowance vs. Zero Allowance: My personal experience

When I was in year 8, I received my first allowance of 20 USD per week. That year was the most creative year for me. I had money to buy material and start sewing, I bought my first computer, and I started working with make-up, which I later did professionally. Years 10 and 11, I lived in Germany and made $20usd an hour working as a childcare provider. I had plenty of money to take trips with friends, buy my own food, clothes, and odds and ends, and also eat out with friends and travel around town safely. 

The years before and after, I lived with guardians who didn’t offer an allowance or so little that I don’t remember an allowance. To get spending money, I worked a minimum wage job (no other options in our town) that was mostly a waste of my time as the check was too small to be very useful. I think my check mostly went toward gas for a car my grandmother gave me. The car was an amazingly generous gift in a day and age where we were led to believe that cars were a right of passage and brought us freedom. That could be true for some, but what I learned was that cars take a lot of money to support, they can be a burden, and because of their expense and our reliance, they can trap us in less-than-ideal situations.

Our small town only had a Wal-mart and even then, I didn’t like Wal-mart. Our small town was too far from good thrift stores or what I considered interesting shops. And even though I had a car, I was not allowed to drive beyond our small town. I believe it was the right choice to not allow a 16-year-old to drive to ‘the big city’ alone. As a parent now and looking back, I would’ve made accommodations to make city trips happen. I was a big city kid and that was pretty clear. I had less freedom than I was use to when I was under my guardian’s care. I struggled with confidence but I was a teen, I don’t remember having any fun, and I absolutely hated high school those particular years. An allowance and more flexibility would have gone a long way in boosting my self-esteem and improving my overall experience. A healthy allowance feels a lot like freedom when you’re a teen. 

The two years of high school I spent in Germany were so different from my two years in the US. As a 14/15 yr old, I had a Sunday job that paid $20USD/hr plus I received a decent allowance. Those two years of high school were full of travel with friends, play, and freedom of choice. I went to Spain twice and traveled all around Germany with my friends. I purchased my own clothing, went to restaurants alone or with friends, took cabs or trains to places I chose to go. I grew up. The flexibility and resources I enjoyed in Germany, helped me have an amazing two years of high school full of unforgettable and life-changing experiences.

Allowance for Chores: My Experience

In year 4, I again lived with guardians who gave us kids money in exchange for chores on Saturday. The allowance was enough to buy a few small candies once a week. My small allowance for chores taught me a few things. I learned that collecting things that need to be dusted is for fools. I grew to hate carpeting for being disgustingly filthy and way too much work. I also now see no value in a lawn if it means I have to mow it. There were more takeaways, but most fall in the category of what NOT to do when I grow up. To this day, I almost never ‘clean’ on the weekend.

So what’s the point?

Why am I writing this? Partly because I feel bad for the kids whose parents can afford to provide an allowance but won’t. Depriving a child or young adult of resources can too easily create desperation, wrong choices, and even hoarding. We have adult friends who admit to being terrible with money and they struggle financially, but as adults they have no dedicated mentors and little time to learn. The downside of not giving a child access to money is that they will not learn about money. Financial ignorance and deprivation can set a child up to make financial mistakes as an adult the likes of which can be difficult to recover. 

One set of parents I talked to didn’t want to give a decent allowance because they didn’t want to create a “consumer”. They decided the best solution to train their child against consumerism was to starve the child of any money. Even though this method hadn’t worked for them personally, this was the philosophy that they decided to invest. Giving our kids a decent allowance did not turn them into crazy consumers. In fact, I can barely get our kids to go shopping with me any more. Christmas is a major struggle because they are fine and have very few wants. Getting a decent allowance helped our children develop into mindful consumers.

I’m also writing this because primary and secondary schools barely touch on finance. If kids are to learn about money, it’s parents who are going to need to teach them. Financial security is probably one of the most important things we could give to our kids, so teaching them to be critical thinkers and intelligent managers of money should be top priority. Raising a financially literate child doesn’t require their guardian to be a financial genius or wealthy. All that we gave our kids was a decent allowance and the freedom to spend their money with very little interference and they did the rest. It was really that simple.

In Conclusion and to be continued.

One of the best parenting decisions we made was to give our kids a decent allowance with no strings attached starting at the age of three. Our kids have not lived lavishly but they also have not come from a place of need or scarcity. A happy consequence of giving our kids agency over their money was that they took responsibility for their savings. And because our kids made their own purchases we were only left worrying about birthday and holiday gifts.

Update: Our now 15-year-old daughter’s business was successful and rewarding. She traveled to a few different states in Brazil to sell her product and had a thriving online business. Last year in 2020, our family decided to learn about stocks together. We’ve all gotten so into trading. Instead of selling products, our oldest child now prefers trading.

As a final mention, I recommend the book ‘The First National Bank of Dad‘. Give your kids a good allowance if you can manage it. And give them the space to make mistakes. I can only offer the results of our situation, but our results are overwhelmingly positive. Given our kids’ trajectory, I can’t imagine many surprises in our children’s financial future that won’t be interesting or happy surprises. I’ll keep you posted!

  1. A term used mainly in the US and UK. Cambridge Dictionary
  2. Cambridge Dictionary
  3. Cambridge Dictionary
  4. Cambridge Dictionary
  5. Cambridge Dictionary

O Que Há de Errado com a Forma como Pensamos Sobre o Subsídio para Crianças (Brasilian português)

Uma das melhores decisões absolutas que tomamos como pais foi era dar aos nossos filhos uma pensão decente, sem amarras. E, no entanto, a mesada não é um tópico que eu me sinto relaxada discutindo com outros pais. Não importa como eles abordem o assunto da mesada, eu acho que muitos pais são bastante dogmáticos em relação à sua posição, mesmo que eles não consigam apontar para um único resultado direto e positivo. O tema do subsídio surge bastante no meio de outros pais. Mais comumente, ouço os pais se gabando de mesadas impraticavelmente pequenas ou de como elas não dão mesada. Alguns pais, em aplicações variadas, apenas dão subsídios para tarefas concluídas que eu ainda não ouço produzindo resultados consistentes.

TL; DR: Fornecer um subsídio para crianças 2x por semana, se o seu orçamento permitir. Apresente oportunidades para aumentar a inteligência financeira e dê às crianças tarefas que elas gostem de fazer. Confie em seus filhos. Recuperar-se de erros financeiros nos primeiros anos é mais fácil. A privação financeira cria consequências indesejadas e pode criar um adulto financeiramente ignorante.

Então, por que percebo resistência quando compartilho que nossos filhos são financeiramente responsáveis ​​e acredito que posso vincular diretamente sua inteligência financeira à sua mesada? Antes de falar sobre o que fizemos, vamos começar definindo subsídio e outros termos similares.

Mesada – Uma quantia em dinheiro que os pais dão regularmente a seus filhos para gastar como quiserem.(1)

Salário – uma quantia particular de dinheiro que é paga, geralmente toda semana, para um funcionário, especialmente aquele que trabalha que precisa de habilidades físicas ou força, em vez de um trabalho que precisa de uma educação universitária. (2)

Estipêndio – Uma renda fixa e regular que normalmente não é baseada em uma quantidade de trabalho realizado. (3)

Subsídio – Dinheiro dado como parte do custo de algo para ajudar ou encorajar a acontecer. Os subsídios poderiam ser dados para encorajar um comportamento específico. (4)

Concessão – Uma quantia de dinheiro dada especialmente pelo governo a uma pessoa ou organização para um propósito especial. (5)

Por que nós damos subsídio?

O subsídio é usado para ensinar a criança a aprender sobre finanças, e para fornecer dinheiro para gastar, ou simplesmente porque os pais precisam de ajuda em casa? É claro que alguns pais são contra dar dinheiro a seus filhos. Achei difícil encontrar pais que tenham uma abordagem claramente definida e vencedora para o subsídio. Então, por que tantos pais têm apegos tão fortes a uma certa visão sobre a mesada – tem resultados ou não?

Quanto dinheiro damos aos nossos filhos em mesada?

Inspirado por ‘The First National Bank of Dad’ (David Owen),começamos a dar a ambas as crianças o dobro da idade em mesada semanal aos três anos de idade. Isso significa que, aos três anos de idade, nossos filhos receberiam seis dólares por semana (USD); aos quatro anos eles ganhariam oito dólares por semana. Seis dólares para uma criança de 3 anos podem parecer muito, mas achamos que é uma boa quantia ajudar nossos filhos a aprender a economizar e se tornar consumidores experientes. Mesmo que o subsídio aumentasse anualmente, a quantia se mantinha com nossos filhos mudando o consumo.

Trabalho por subsídio?

Nos EUA, muitos pais gostam de tarefas de vinculação à mesada. Em nossa família, esperamos ajuda de nossos filhos como se fôssemos colegas de quarto, considerando a idade de nossos filhos, é claro. Quando o trabalho está fora de uma expectativa familiar normal, oferecemos um salário. Trocar dólares pelo trabalho doméstico diário complicaria nosso relacionamento familiar de maneira terrível. Nossas expectativas como adultos muitas vezes não seriam atendidas porque nossos trabalhadores são crianças que se importam muito pouco com essas coisas. Nós provavelmente teríamos dinheiro sobre a cabeça de nossos filhos e nossos filhos cresceriam desconfiando de nós e veriam o dinheiro como uma arma.

Sem Subsídio porque .. Comida e a Acomodação

Há pais que não dão mesada ou oferecem uma mesada reduzida porque a comida e a acomodação estão sendo providas. Fatorar o valor de Room & Board em dinheiro seria muito complicado para nossa família. Sentiríamos a necessidade de estabelecer direitos específicos de privacidade e descreveríamos como decidiríamos sobre moradia e decoração. Nosso relacionamento se tornaria mais contratual, imagino. Essa abordagem parece muito trabalhosa se quisermos fazê-la bem. O adulto se beneficiaria por não ter que dar tanta mesada, mas eu não sei quais lições a criança aprenderia com essa abordagem.

Subsídios

No sudeste da Ásia, vi subsídios usados ​​pelos pais para incentivar o estudo no momento de exames escolares. Ao contrário dos EUA, onde as crianças podem ser pagas por bilhetes regulares, a minha observação é que as crianças de Singapura, por exemplo, parecem receber uma subvenção, independentemente dos resultados. Este dinheiro está fora do subsídio regular e é como um bônus. No geral, eu realmente gosto da idéia de uma concessão. As crianças estudam de noite nos dias de aula e podem ter aulas particulares (aulas de reforço) no sábado durante o horário do exame. O tempo do exame é estressante e as crianças trabalham duro e renunciam a muitas atividades divertidas. O final dos exames trouxe uma sensação palpável de alívio e celebração. As crianças saíam para se divertir e gastar seu dinheiro arduamente ganho. O clima em torno de Cingapura após os exames muda do inverno para a primavera.

Falhar cedo, falhar com frequência, mas falhar prosseguindo

Eu amo essa frase “falhar cedo, falhar com frequência, mas sempre falhar prosseguindo” por John C. Maxwell. Para mim, resume como nossas crianças lidam com dinheiro. Assumir o controle de um subsídio decente deu aos nossos filhos a capacidade de cometer erros, aprender com esses erros, fazer correções e iterar. Uma amiga compartilhou comigo que como ela não recebeu dinheiro enquanto crescia, e aos 19 anos, recebendo seu primeiro cartão de crédito, acumulou muitos milhares de dólares em dívidas. Queríamos que nossos filhos cometessem erros de dinheiro quando os números eram mais baixos. Corrigir os prováveis ​​erros mais caros de um jovem universitário que acaba de receber seu primeiro cartão de crédito é algo que queríamos evitar.

Através dos anos: o caminho do progresso

Idade 3, Seis USD por semana

Nossos filhos aprenderam que comprar em brechós compraria mais brinquedos e lhes permitiriam ter dinheiro sobrando.

3 a 6 anos, seis a doze dólares por mesada semanal

As idades de 3 a 6 eram nossos maiores anos para consumo e crescimento financeiro. Nesses jovens, nossos filhos praticaram gastos e cometeram erros. Eles aprenderam como procurar por avaliações e reconheceramque decepções poderiam ter sido evitadas através de melhores pesquisas. Eles aprenderam sobre compras por impulso e como isso pode custar mais e começaram a praticar paciência e consumo oportunista. Eles até aprenderam a aproveitar a espera. O dinheiro era gasto em legos e bonecas, mas os brechós ainda eram os favoritos. Aos 5 anos, nosso filho estava considerando o valor de revenda ao fazer suas compras.

Idade 7, Quatorze dólares por mesada

Nossos filhos descobriram que o plástico quebra e é geralmente impossível de consertar. As crianças pararam de comprar plástico com algumas exceções, como Legos. As crianças procuraram por Legos em brechós e encontraram vários conjuntos completos e conjuntos antigos. Nosso filho descobriu o preço médio por peça de Legos e se recusou a comprar conjuntos cujo preço por peça fosse maior que a média. Às sete, nossa menina aprendeu a padronizar, decidindo comprar apenas bonecas que se encaixassem nos mesmos sapatos ou roupas que as bonecas que já possuía.

Idade 8-9, dezoito dólares por mesada

Revisar os brinquedos antes de comprar deu à nossa filha insights sobre mercados de revenda como o eBay. Ela começou a comprar brinquedos específicos em brechós para vender no eBay. Seria o seu primeiro empreendimento empresarial. Ela também orquestrou sua primeira arrecadação aos nove anos, arrecadando US $ 200 para instituições de caridade locais. Nossa filha abriu sua primeira (e última) barraca de limonada percebendo que era uma ótima maneira de conhecer os vizinhos, mas uma maneira ruim de ganhar dinheiro. Ambas as crianças começaram a não gostar de fazer compras entre as idades de 8 e 9 anos e acolheram uma grande quantidade de nossos pertences. Nosso filho decidiu que não queria comprar novos Legos e vendeu cerca de 90% de sua coleção, mantendo alguns conjuntos favoritos. As crianças gostavam de vender seus brinquedos através do eBay e Craigslist e colocar todos os fundos recuperados em poupança. Nossos filhos eram muito responsáveis ​​por dinheiro e recebiam seu primeiro cartão de crédito na época, que raramente usavam.

De 10 a 11 anos, de vinte a vinte e dois dólares por mês

Nossas crianças realmente perderam o interesse em todas as lojas, até em brechós. Aos 10 e 11 anos de idade, a maioria das compras das crianças era digital. Eles não queriam mais brinquedos – apenas quebra-cabeças, jogos de tabuleiro e bichinhos de pelúcia. Aos 10 anos, nosso filho começou a administrar seu orçamento recebendo uma bolsa mensal para cuidar de suas despesas pessoais, incluindo óculos, cortes de cabelo e roupas. Muito do dinheiro foi gasto em poupança e, para nosso filho, a maioria foi para a poupança. Aos 10 anos, nosso filho sabiamente usou um cartão de crédito por aproximadamente 3 anos. Vendo o efeito que o Bitcoin estava tendo no preço do equipamento de informática que ele queria comprar, nosso filho começou a aprender sobre o Bitcoin.

Idade 12-14, bolsa mensal em vez de subsídio

Aos 12 anos, nossa filha começou a administrar seu orçamento recebendo um salário mensal em vez de um subsídio para todas as despesas pessoais, incluindo roupas, cortes de cabelo e seus desejos de chá Popa. Aos 12 anos, nossa filha tinha um cartão de metrô, cartão de jantar, cartão de crédito e conta Grab & Uber. Ela fez questão de ter dinheiro em sua carteira e financiou seus cartões de metrô e alimentação quando eles estavam com pouco dinheiro. Cartões financiados em dinheiro aceitos nas praças de alimentação davam a nossa filha a capacidade de parar na praça de alimentação do shopping sozinha ou com os amigos.

Aos 12 anos, nossa filha iniciou seu primeiro negócio de sucesso e abriu uma pequena loja dentro de uma loja de brinquedos em nosso shopping vizinho. Ter uma loja significava visitas regulares ao shopping para reabastecer a loja. Ela também costumava pegar o metrô para fazer pedidos ou ver amigos, e quase todas as paradas de metrô ficavam sob um shopping. Estar no shopping tantas vezes significava que nossas crianças de 12 anos poderiam fazer suas próprias compras. Ela até parava na mercearia se soubesse que estávamos com pouca comida. Quando ela queria uma segunda opinião durante as compras, ela enviava uma foto via WhatsApp. Apesar dessa capacidade infinita de fazer compras, ela só comprava o que precisava depois de muita consideração.

Em poucos meses, o negócio de nossa filha estava ganhando mais do que sua mesada. Além deste negócio, ela também ganhava dinheiro editando ou criando logotipos e obras de arte. Sua renda era destinada para ao negócio, às ferramentas ou à poupança, e seu salário foi destinado principalmente à poupança. Aos 13 anos, ela começou a terceirizar o trabalho para os fornecedores para lidar com a crescente demanda por seus produtos.

Aos 14 anos, nossa filha já estará completando mais de 4 anos de uso do cartão de crédito dela.  Ela não fez uma única compra louca, mesmo com a liberdade de comprar sozinha e fazer suas próprias escolhas com seu próprio cartão de crédito.

Mas eu não estou dando dinheiro a eles por nada! E as tarefas?

Nós viemos de famílias de agricultores. Trabalhar em uma fazenda me ensinou o valor de uma família trabalhando em conjunto para reduzir as obrigações de todos. Eu quero que nossos filhos descubram isso também, e é por isso que não os pagamos para ajudar em casa. Além disso, quando peço ajuda às crianças, especialmente com tarefas demoradas, garanto que elas têm tempo. Às vezes, as crianças precisam de suporte e apoio para finalizarem suas próprias tarefas. Às vezes somos nós, os pais, que precisam de suporte e as crianças (geralmente) ficam felizes em ajudar. Eu quero que nossos filhos contribuam porque eles vêem uma necessidade e não porque querem dinheiro.

Dando aos nossos filhos um salário justo

Se você decidir dar dinheiro para as tarefas, tente substituir a palavra ‘mesada’ por ‘salário’ e veja se esse salário ainda é justo. Você trabalharia por tal salário? O salário que eu ofereço ao meu filho quando pedimos ajuda com trabalhos que estão fora das tarefas domésticas normais, é um salário justo. Eu digo ofereço porque às vezes eles se recusam a ser pagos. Ainda assim, não esperamos que nossos filhos trabalhem para nós só porque somos família – especialmente se outras pessoas estiverem dispostas a pagar mais.

Dê-lhes o trabalho que eles amam

Seus filhos têm habilidades que podem sustentar a família? Talvez eles sejam bons com tecnologia e gerenciem equipamentos, atualizações e rede. Ou talvez eles saibam consertar as coisas quebradas, cuidar do jardim, das plantas ou costurar? Nossa filha é uma ótima fotógrafa / diretora / editora, por isso nós a ajudamos nessas áreas.Eu também deixo minha filha limpar minha roupa e selecionar peças mais interessantes que não são muito parecidas com roupas de uma idosa. Essa vai para vocês, para o meu filho adolescente, blusas de decote não são um corte atraente, são apenas o que as mulheres velhas usam – Ai, essa doeu! Nosso filho me ajuda com os recados, é um ótimo chef sous e estrategista de confiança. Suas habilidades analíticas são úteis em áreas técnicas ou na montagem de móveis Ikea (por exemplo). Sua objetividade e abordagem lógica fazem dele alguém em quem confio, mesmo aos 11 anos, por razão ou solução, quando nenhuma destas está disponível para mim. Se eu ponderar o valor desse suporte, faz mais sentido para mim terceirizar nossas roupas e deixar que nossos filhos ajudem em outras formas mais naturais.

Subsídio não é para tarefas

Queremos que nossos filhos aprendam a manter suas vidas arrumadas e organizadas. Boas habilidades de organização ajudam nossa família a não ser sobrecarregada e nos ajudam a nos concentrar no que fazer em seguida. Também é importante que nossos filhos aprendam a apoiar seus amigos e familiares e dividam o trabalho. Fora da orientação e modelagem, não vejo outra maneira de ensinar esses valores ou lições. Nós não nos pagamos pelas tarefas, então parece estranho pagar as crianças. E embora a limpeza seja um trabalho, o objetivo não é treiná-los para esse trabalho. Eu também não acho que eles precisam de anos de prática de limpeza para poder, um dia, gerenciar sua própria casa. Então, a permissão em nossa família é apenas para cuidar de si e, eventualmente, da família, quando cada criança amadurece.

Receber um Subsídio Decente vs. Zero Subsídio: Minha experiência

Na 8ª série recebi minha primeira mesada de 20 dólares por semana. Aquele ano foi incrivelmente criativo para mim, pois eu tinha dinheiro para comprar material e começar a costurar, eu comprei meu primeiro computador e comecei a trabalhar com maquiagem, que depois fiz profissionalmente. Então passei a morar com uma família que não ofereciam mesada. Para gastar dinheiro, trabalhei com um salário mínimo que não era suficiente. Nossa cidade estava muito longe de boas lojas e eu não teria permissão para viajar para eles independentemente. Nos meus guardiões, um cuidado mais restritivo, lutei com confiança, não me diverti com nada que me lembro e odiava o ensino médio. Um subsídio e mais flexibilidade teria sido um verdadeiro orgulho para a minha auto-estima e experiência global.

Meus dois anos seguintes do ensino médio foram passados ​​na Alemanha com minha mãe e sua esposa. Eu tive um trabalho de domingo que pagou muito bem, e ainda recebia uma boa mesada. Aqueles dois anos do ensino médio foram cheios de viagens com amigos, brincadeiras e liberdade de escolha. Eu fui para a Espanha duas vezes e viajei por toda a Alemanha com meus amigos. Eu comprei minhas próprias roupas, fui a restaurantes sozinho ou com amigos, peguei táxis ou trens para lugares que escolhi para ir. Eu cresci. A flexibilidade e os recursos que desfrutei na Alemanha me ajudaram a ter incríveis dois anos de ensino médio cheio de experiências inesquecíveis e transformadoras.

Subsídio para tarefas: minha experiência

Na 4 ª série, eu vivi novamente com a outra família que nos deram dinheiro das crianças em troca de tarefas no sábado. O subsídio foi suficiente para comprar alguns doces uma vez por semana. Se meu pequeno subsídio recebido para as tarefas me ensinou alguma coisa, foi que colecionar  coisas que precisam ser limpas é para os tolos. Por causa dessas tarefas de sábado de manhã, eu cresci odiando carpete por ser imundo e muito trabalho e agora não vejo nenhum valor em um gramado se isso significa que eu tenho que corta-lo. Havia mais tópicos, mas a maioria cai na categoria do que NÃO fazer quando eu crescer. Até hoje, nunca “limpo” nos finais de semana.

Então, qual é o ponto?

Por que estou escrevendo isso? Em parte porque me sinto mal pelas crianças cujos pais podem pagar uma mesada, mas não o fazem. Privar uma criança ou um jovem adulto de recursos pode facilmente criar desespero, escolhas erradas e até acumulação. Temos vários amigos que admitem ser terríveis com dinheiro e lutar financeiramente. A desvantagem de não dar acesso a uma criança para aprender sobre dinheiro é que a ignorância ou a privação financeira podem levar a criança a cometer erros financeiros fantásticos quando adulto, a partir dos quais pode ser difícil recuperá-la.

Em segundo lugar, as escolas não ensinam essas coisas. Se as crianças aprenderem sobre dinheiro, seus pais precisarão ensiná-las. Se nossos filhos conseguirem prosperar, é extremamente importante que eles se tornem pensadores críticos e inteligentes com seu dinheiro. Educar uma criança financeiramente alfabetizada não exige que seu guardião seja um gênio financeiro. Demos aos nossos filhos um subsídio decente, liberdade para gastar seu dinheiro com pouca interferência e eles fizeram o resto. Foi tão fácil assim.

Um pai que eu conhecia não queria dar mesada porque não queria criar um “consumidor”. Então, finalmente, eu preciso compartilhar que dar aos nossos filhos um subsídio decente não os arruinou nem os transformou em consumidores loucos. De fato, ter um subsídio decente ajudou nossos filhos a se tornarem consumidores conscientes.

Em conclusão e para dar continuidade ..

Uma das melhores decisões paternas que tomamos foi dar aos nossos filhos uma pensão decente, sem compromisso, a partir dos três anos de idade. Nossos filhos não viveram prodigamente, mas eles não vieram de um lugar de necessidade ou escassez. Uma consequência feliz de dar à agência dos nossos filhos o dinheiro e os gastos é que eles assumiram a responsabilidade de suas economias. E uma vez que nossos filhos faziam suas próprias compras, só ficávamos preocupados com presentes de aniversário e de fim de ano! A empresa de nossa filha de 14 anos continua a crescer e provavelmente assumirá sua mãe como sua primeira funcionária neste ano. Meu “salário” ainda está sendo negociado. 😉 

Por fim, leia ‘The First National Bank of Dad’. Dê aos seus filhos uma boa mesada se você puder administrá-lo. E dê a eles o espaço para cometer alguns erros. Só posso oferecer os resultados da nossa situação, mas nossos resultados são positivos. Dada a trajetória de nossos filhos, não consigo imaginar muitas surpresas no futuro financeiro de nossos filhos que não sejam surpresas interessantes ou felizes. Eu vou manter você informado!

  1. Termo usado principalmente nos EUA e no Reino Unido. dicionário Cambridge
  2. dicionário Cambridge
  3. dicionário Cambridge
  4. dicionário Cambridge
  5. dicionário Cambridge

Get Amazing Info

Get great content delivered straight to your inbox, just a click away, Sign Up Now!
First Name
Last Name
Email Address
Secure and Spam free...